quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Prédios públicos de Marcelino Vieira-RN não dispõe de rampa de acesso para cadeirantes

Deu no www.folhaemdia.com: Um dos requisitos básicos para garantir direitos iguais a todos, que seriam as rampas de acesso para cadeirantes, ainda não são encontradas em todas as instituições, como deveria. Na cidade de Marcelino Vieira-RN, por exemplo, há um mês, o vereador Thalles Paiva apresentou requerimento solicitando que o Município possa tornar seus locais públicos acessíveis para cadeirantes. O vereador, que já foi presidente da casa no pleito passado, assumiu que a própria sede do Poder Legislativo não dispõe de estrutura adequada para receber as pessoas com limitações físicas. Além disso, o vereador citou que nem ao menos a Prefeitura Municipal obedece a esses critérios, que são definidos pela Lei.
No entanto, o pedido parece ter passado sem muitos efeitos porque até o momento nada mudou na cidade.
A prefeitura Municipal de Marcelino Vieira continua sem rampa de acesso para cadeirantes, as portas de entrada não são adequadas, e os banheiros e corredores não dão condições iguais aos munícipes de ir até a sede do poder executivo. O mesmo acontece na Câmara de vereadores de Marcelino Vieira-RN, que embora tenha passado por reformas recentes, e disponha de uma rampa, as condições de acesso não são as melhores. A porta principal tem apenas degrau, e o plenário não está habilitado para receber os vieirenses no local que deveria ser a casa do povo, sem exceção.
De acordo com Aluízio de Souza,secretário municipal de obras, a Prefeitura não dispõe de rampa, mas ele afirmou que irá providenciar. “Apesar de ser obrigatório ainda não temos rampa na prefeitura, e é muito difícil o acesso para os deficientes físicos. Pelo visto teremos que fazer, no mínimo, umas três rampas para dar acesso aos cadeirantes. Nós pretendemos,em breve, entrar em contato com o engenheiro da prefeitura para vermos a melhor forma de solucionar esse problema”. Garantiu.
O secretário informou ainda que as providências serão tomadas também no prédio onde funciona a secretaria municipal de educação, que, segundo ele, tem degraus muito altos que a torna inacessível para os cadeirantes.
Pelas ruas da cidade é quase a mesma coisa, e, além das lojas e do comércio, os idosos e as pessoas com deficiência física ainda tem acesso dificultado aos eventos religiosos e culturais realizados no Espaço Cultural Santo Antônio, que também não tem rampa de acesso.
“Não se trata de substituir degraus por rampas, ou de alargar as portas. O direito da pessoa com deficiência vai além disso, já que esta é uma medida básica para garantir o acesso à educação, ao lazer e a todos os direitos básicos”. Enfatizou o vereador Thalles Paiva.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com responsabilidade, sem direcionar o seu comentário a nenhum membro ou pessoa particular. lembre-se que seu comentário ficará visível e poderá ou não ser respondido por qualquer pessoa.